ADM.PRESERVAÇÃO E PROGRESSO

Jericoacoara

Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara
Jericoacoara

Um lugar onde o sol escalda, o vento refrescante não dá trégua e andar descalço é uma premissa. Erguida entre dunas, recortada por poucas ruelas cobertas de areia - sem nenhum asfalto - e com um mar verde que atrai a qualquer hora do dia, o vilarejo de Jericoacoara é um oásis para quem quer descansar à beira-mar. Parece até que é de propósito que a natureza o mantém assim, tão escondidinho no litoral oeste do Ceará. Alcançar o paraíso requer certa determinação. Os 300 quilômetros que separam Jeri (é assim que todos a chamam) da capital Fortaleza podem ser percorridos em um veículo 4x4 em cerca de quatro horas. Ou, mais recentemente, de ônibus: são cinco horas até a cidade de Jijoca de Jericoacoara e mais uma corcoveando pelas estradas de areia a bordo de um veículo adaptado (no jargão popular, jardineira) até a pequenina vila. Mas o périplo, independentemente do transporte escolhido, valerá cada minuto. Como nos últimos anos o turismo se tornou a principal atividade deste antigo vilarejo de pescadores, visitantes são tratados como reis. Na larga faixa de areia da praia principal, confortáveis espreguiçadeiras os aguardam desde o amanhecer, em frente aos bares e restaurantes que ali estão para servir os tradicionais aperitivos de frutos do mar. O mais concorrido deles é o ClubVentos, um lugar multilíngue, onde italianos, ingleses e outros estrangeiros são maioria. Depois que descobriram Jeri no mapa do Brasil (com a ajuda do Washington Post, que em 1994 elegeu a praia como uma das dez mais belas do mundo), os gringos não a deixaram mais. Ao menos os adeptos do windsurfe, kitesurfe e stand up surfe, nova modalidade em que a pessoa fica de pé sobre uma prancha e navega com o auxílio de um remo. O local é visto como um dos melhores do mundo para a prática destas atividades graças aos poderosos ventos alísios, que são capazes de criar ondas onde elas não existem. Por causa disso, a alta temporada lá difere dos outros destinos praianos: começa em julho e vai até dezembro. Beleza esculpida. Um dos principais cartões-postais do destino também fica escondido. Para ver a Pedra Furada, um arco natural de quase 5 metros de altura, é preciso aproveitar a maré baixa. Há como chegar lá a pé - caminhando uma hora pelas areias e debaixo de sol fortíssimo - ou de bugue, que vai até bem perto dela. Se puder, marque sua viagem entre junho e agosto, que é quando o sol se "encaixa" perfeitamente na pedra ao entardecer. Você vai precisar de pelo menos mais um pôr do sol em Jeri para comprovar que ele é um dos mais incríveis do País. Segundo os nativos, é raro o dia em que o astro some antes de alcançar o mar. Feito que turistas e locais apreciam (e aplaudem) cotidianamente lá do alto da Duna do Pôr do Sol, na praia principal. Pitoresco. Poucos minutos seriam suficientes para percorrer as ruelas forradas de areia - que, acredite, ficam mais charmosas pela ausência de iluminação pública -, não fossem as lojinhas e restaurantes que alongam o trajeto dos visitantes. Tem artesanato, crochê e joias refinadas. Há ainda restaurantes italianos (muitos estrangeiros trocam a condição de turista pela de morador e chef de cozinha), deliciosos menus à base de frutos do mar e casas de tapioca e açaí. Quer esticar até mais tarde? Também pode. A agenda noturna de Jeri é movida a samba, rock e forró, e turistas e locais festejam juntos. Antes de voltar ao hotel, todos vão à Padaria Santo Antônio, que só funciona das 2 às 7 horas, atendendo os baladeiros com caprichados pães recheados com queijo, banana ou coco. Delícias para fechar a noite.